Marca cancelada: 5 dicas para evitar o problema


Marca cancelada

Já pensou no que aconteceria se tivesse a sua marca cancelada? Não se engane. Esse risco não é “privilégio” dos famosos ou das grandes companhias. Hoje, públicos dos mais diferentes mercados têm apresentado um comportamento crítico e militante. Portanto, o seu negócio não pode ignorar o poder que está nas mãos do consumidor.

A “cultura do cancelamento” ganhou força em 2019. Tanto que, de acordo com o Dicionário Macquarie, esse foi o termo daquele ano. De maneira prática, o cancelamento é uma resposta conjunta de um grupo de pessoas diante de um comportamento considerado incoerente, irresponsável, insensível ou negligente de uma figura pública. Além de críticas, isso pode ser elevado ao boicote da audiência e da compra de produtos relacionados àquele artista ou empresa. Ou seja, se traduz em prejuízos de cunho financeiro para ele!

Quer evitar o problema? Então, confira as dicas de hoje!

Posicionamento de marca

A coerência com relação aos valores e promessas apresentados é um dos pontos mais importantes a se analisar em uma marca cancelada. Assim, não é surpresa que o fato tenha acontecido se ela prometeu um preço e praticou outro, por exemplo. Ou se ela disse valorizar os direitos humanos, mas trabalha com produtos produzidos por mão de obra escrava.

A maneira como sua empresa deve ser percebida não se provará simplesmente pelo discurso. É a prática que a validará junto aos consumidores! Portanto, é essencial planejar muito bem o posicionamento. Quais valores farão parte dele? Quais causas serão defendidas? Quais projetos serão abraçados?

Tudo isso deve partir de uma profunda compreensão sobre o público-alvo. Entretanto, supor qualquer coisa pode ser fatal. É necessário pesquisar bem e manter o relacionamento sempre aproximado com ele.

O que fazer para não ter a marca cancelada

Veja a seguir 5 cuidados indispensáveis para construir uma imagem de credibilidade e com mais chances de evoluir no  mercado.

1. Respeite a cultura

A cultura de uma população, ou de um grupo de pessoas, jamais pode ser desrespeitada. Mesmo que nem todas as características façam parte da proposta de valor do seu negócio, é altamente prejudicial ignorar ou atacar aspectos culturais, pois eles fazem parte de uma identidade pessoal e coletiva. Por isso, fique bem atento a esse fator a fim de não fechar as pontes do diálogo com o público.

2. Saiba pedir desculpas 

Saber pedir desculpas não é simplesmente pedir perdão. Mas sim demonstrar com gestos coerentes a percepção sobre um erro cometido. Ser proativo faz toda diferença. Muitas marcas e artistas só se desculpam após a pressão do público, o que costuma vir acompanhado de críticas ácidas. Mesmo que a retratação seja feita, se não for espontânea, pouco valerá.

3. Escolha a dedo as parcerias

Se a sua empresa trabalha com produtos veganos, não faz sentido que ela tenha parceiros que testam produtos em animais. Não é apenas o senso crítico das pessoas que tem aumentado. Mas também o seu poder de atenção e pesquisa para identificar os pontos incongruentes.

4. Cumpra com o prometido

Aqui, mais uma vez, falamos sobre o posicionamento da marca. As suas promessas e os seus valores precisam ser cumpridos. Então, muito cuidado com a comunicação e o marketing do negócio. Definitivamente, não basta mais apenas dizer frases bonitas ou politicamente corretas. Como já mencionado, é a atitude que valerá, no fim das contas. Há até grupos que se dedicam a achar os gaps para divulgar e promover a cultura do cancelamento. Então, cumpra com o prometido, mas muito cuidado com ele. É necessário respeitar a cultura dos indivíduos, além dos direitos humanos e políticos.

5. Jamais subestime o público

Acreditar que uma incoerência possa passar despercebida pode ser fatal. Entretanto, além disso, o consumidor também já não tolera mais um posicionamento abusivo. Exemplo disso é o caso de uma marca de roupas que, na pandemia, lançou máscaras que foram consideradas caras demais para apenas “depois pedaços de pano”. O resultado foi a retirada do produto de circulação para evitar maiores polêmicas. Assim, vemos como até a política de preços tem de ser muito bem definida para não gerar revolta, piada e, claro, o cancelamento.

Seu time está empenhado em não gerar uma marca cancelada? Lembre-se que é indispensável contar com todo apoio dele. Afinal, são esses profissionais que lidarão com as críticas.

Complemente sua leitura! Leia também nosso artigo sobre como posicionar a marca em tempos de crise.